Luiz Vilela, mestre do diálogo, é o autor homenageado da FLIMA 2019

Luiz Vilela, mestre do diálogo, é o autor homenageado da FLIMA 2019

 

Luiz Vilela, um mestre do diálogo

Luiz Junqueira Vilela (Ituiutaba, Minas Gerais, 1942) é um dos grandes mestres do diálogo da literatura brasileira. Começou a escrever na adolescência e não parou mais. Ganhou projeção nacional em 1967 ao vencer o Prêmio Nacional de Ficção com “Tremor de Terra”, livro de contos que segue encantando (e assombrando) leitores mais de meio século após a sua publicação.

Em 1969, após uma breve passagem pelo Jornal da Tarde, Vilela recebeu um convite para participar de um programa internacional de escritores, o International Writing Program, na Universidade de Iowa, nos Estados Unidos. Ao voltar para o Brasil, passou a se dedicar exclusivamente à literatura.

Seus principais livros incluem “Tremor de terra” (contos, 1967), “Os Novos” (romance, 1971), “O Choro no Travesseiro” (novela, 1979), “A Cabeça” (contos, 2002), “Bóris e Dóris” (novela, 2006), “Perdição” (romance, 2011) e “O Filho de Machado de Assis” (novela, 2016). Os contos que lhe renderam fama estão em diversas antologias e foram publicados em dezenas de idiomas.

A obra de Luiz Vilela, que vive em sua cidade natal, a 137 km de Uberlândia, é estudada em universidades Brasil afora e circula em países como Estados Unidos, Alemanha, França, Inglaterra, Itália, Suécia, Polônia, República Tcheca, Argentina, Paraguai, Chile, Venezuela, Cuba e México.