Home_Auditorio_4.jpg

SOBRE A FLIMA

De 14 a 16 de setembro, de sexta a domingo, Santo Antônio do Pinhal, charmosa cidade turística na Serra da Mantiqueira a apenas duas horas de São Paulo, receberá cerca de 100 escritores e profissionais do mercado editorial brasileiro. 

Em sua primeira edição, a FLIMA – Festa Literária Internacional da Mantiqueira – reunirá nomes como Milton Hatoum, Ana Maria Gonçalves, João Silvério Trevisan, Leonardo Sakamoto, Marcelo Mirisola, Paulo Lins, Paulo Tatit, Veronica Stigger e o músico Cid Campos, que fará show com poemas de seu pai, Augusto de Campos, o homenageado do evento.

Serão mais de 80 atividades, em sua maioria gratuitas, para crianças, jovens e adultos. Os ingressos para as mesas de debate e shows, que acontecem no auditório da cidade, custam 30 reais. Idealizada por Roberto Guimarães, a FLIMA conta com a curadoria de Vanderley Mendonça.


PROGRAMAÇÃO

A FLIMA 2018 acontecerá em quatro espaços integrados.

A programação principal será no Auditório Municipal, com capacidade para 300 pessoas.

A FLIMINHA, com atividades para crianças, a FLIMAX, com programação jovem, e a FLIMAIS, com oficinas e palestras, ocuparão as 12 salas da Escola Municipal Noe Alves Ferreira.

A Horta Pedagógica Comunitária receberá a FLIMAMBIENTAL, eixo temático com atividades educativas e socioambientais.

Já a ampla quadra poliesportiva da escola abrigará o Espaço Mantiqueira, um espaço que proporcionará uma experiência autêntica de gastronomia, design e arte de Santo Antônio do Pinhal e região.

 
imagem-home-flima3.jpg

INGRESSOS

Mais de 60 atividades da FLIMA 2018 serão gratuitas.

Haverá cobrança de ingresso apenas para as 14 mesas e 2 shows que acontecem no Auditório Municipal. Os ingressos para essas atrações custam R$ 30 cada.

 

 
 
augusto-de-campos-poeta.jpg

AUGUSTO DE CAMPOS

Uma vez a cada século, a história nos apresenta um poeta capaz de elevar a letra à categoria de arte. Assim foi Mallarmé, no século XIX, Nuno Eanes Cerzeu, no século XIII e Simias de Rodes, que viveu por volta do ano 300 a.C.

Como Guillaume Apollinaire, Mary Ellen Solt e Ana Hatherly, Augusto de Campos, o homenageado da FLIMA 2018, é um poeta da letra por excelência no século XX. Seu domínio da composição tipográfica lhe fornece a senha para atravessar, no século XXI, as fronteiras semânticas e incorporar novas significações ao poema.

Ao contrário do que se costumou pensar e dizer sobre a Poesia Concreta, não é a desmaterialização espacial da palavra que dá nova percepção a quem lê, mas sim a materialização da letra, o tipo gráfico, como objeto, que toma a forma própria da expressão poética e questiona os significados dos sistemas linguísticos (Lacan deu a pista quando apontou a letra como o Real).

Letra, verso, página e livro são um todo, como no Coup de Dés, do poeta francês, ou em Outro, do próprio Augusto. Dificilmente, outro poeta poderia ser verdadeiramente chamado de “concreto” (uma ressalva a Ronaldo Azeredo) não apenas por elevar a arte tipográfica à categoria de poesia, mas por resgatar a essência da poesia, a sua forma escrita (em grego, typos é “forma” e graphein é “escrita”) às experiências sensoriais humanas, como na música e na arte plástica (vejam-se a série POETAMENOS ou o poema PULSAR).

Seu poema “Minha cabeça começa em meu coração; meu coração não cabe em minha cabeça”, composto para substrato impresso ou vídeo, é um bom exemplo de que a poesia, para se afirmar como arte ou invenção, não precisa brincar com neologismos, repetir ideias gastas pela filosofia nem buscar malabarismos fonéticos para agradar e se dizer nova.

Em geral, quase toda a poesia do século XX é discurso disfarçado de imagem. Só pelo esforço para se viver o poema é que se pode chegar ao poema. E é preciso esforço para poder querer saber sentir, como disse Nuno Eanes Cerzeu, há séculos.

Augusto de Campos é herdeiro do esforço e da tradição da reinvenção da linguagem que se mantém na poesia. O poeta busca a poesia onde se diz que não há mais poesia. Nos escribas egípcios, na lapidar tipografia romana, na caligrafia árabe e nos manuscritos dos códices dos trovadores provençais, a poesia de Augusto de Campos reencontra a experiência de uma estética complexa e exata (redesenhada por visionários como Aldo Manuzio, Claude Garamond, Stanley Morison, Paul Renner, Max Miedinger, David Carson, os designers da Bauhaus e os da era digital); e como um raro é capaz de pensar o poema metricamente e ritmicamente perfeito num espaço visual.

Esse esforço é reconhecido por ele próprio como algo que não tem retorno, como disse certa vez: “A poesia fácil nos conforta, nos dá alento e até cura uma dor. Mas a verdadeira poesia não nos dá nada, ela só nos tira”.

 

Vanderley Mendonça, curador da FLIMA 2018

SANTO ANTÔNIO DO PINHAL

A cidade que abriga a FLIMA se diz “encantadora por natureza”. Não é exagero. Mas os encantos de Santo Antônio do Pinhal não se resumem à paisagem que emociona. Eles estão espalhados por todos os cantos dessa pequena, porém territorialmente vasta cidade Mantiqueira. Encantos que também são encontrados em pousadas, restaurantes, cafés, lojas e atrações arrebatadoras, como o Pico Agudo e seu pôr-do-sol de tirar o fôlego.

Mantiqueira, em tupi, significa montanha que chora. Choro que chega em forma de chuva, principalmente no Verão. Em setembro, é muito raro chover em Santo Antônio. Nuvens apenas ocasionalmente mancham o azul intenso do céu. O sol brilha sem desânimo. E as noites são limpas, coalhadas de estrelas. É difícil não se encantar com o clima da Mantiqueira nessa época do ano, quando a temperatura mais amena possibilita agradáveis programas ao ar livre, inclusive à noite, mas mantém o friozinho da madrugada que transforma as noites de sono em território de sonho.

 

pedra.jpeg
 

VOLUNTÁRIOS E APOIADORES

apoios3.png

A FLIMA 2018 não contou com incentivo fiscal ou patrocínio de empresas. Sua realização só foi viabilizada pelas dezenas de apoios recebidos, pelos recursos arrecadados em campanha de financiamento coletivo e, acima de tudo, pelo envolvimento apaixonado de voluntários e a mobilização da comunidade de Santo Antônio do Pinhal.

PARCEIROS DE HOSPEDAGEM

A Casa da Fazenda
Hospedaria do Cambraia
Jardim Suspenso da Babilônia
Orgânyca Spa e Hospedagem
Pousada 2 Primos Pinhal
Pousada Alemã
Pousada Alpes
Pousada Canto dos Pássaros
Pousada Champagny
Pousada do Grilo
Pousada Fonte das Hortênsias
Pousada Highland
Pousada Il Villaggio
Pousada La Villa Del Vale
Pousada Le Lieu
Pousada Lua e Sol
Pousada Pinhalense
Pousada Quatro Estações
Pousada Recanto das Orquídeas
Pousada Santo Antônio
Pousada Vento Verde
Pousada Vila Campestre
Pousada Villa 3 Lagos
Pousada Villa Mantiqueira
Sítio Esquilinho
Sítio Terra Nova Hostel/Tennis
Sítio Quintal

VOLUNTÁRIOS

André Cerveny, Alex Domenici, Anouk Migotto, Azul, Beatriz Rocha de Paula e Silva, Beto Hacker, Cacau Gonçalves, Célia Helena, Daniel Moray Luza, Dojival Vieira, Dolores Medeiros, Duda Ferraz, Elaine Santana, Guilherme Kuhlmannn Fernandes, Heloisa Zorovich, Jane Ciambelli, José Roberto Manna, José Walter Pontes, Larissa Mazieiro, Larissa Néri, Luciana Giraldo, Marla Câmara, Marta Lima, Nancy Lee, Paula Pagotto Simionatto, Paulo Gambalé (Maká), Rafael Godoy de Castro, Rita Berçot de Castro, Rizzi Tani, Silvia Oliveira, Taline Ananda, Tatiana Jorgetti Fernandes

Como seria impossível nomear todos que participaram, optamos por fazer uma relação com os voluntários mais ativos. Pedimos desculpas a quem deveria estar nesta lista mas não encontrou seu nome aqui

APOIADORES CAMPANHA DE FINANCIAMENTO COLETIVO

Adriana Carvalho de Menezes, Alberto Miguel Nazareth Mejia, Alceu Chiesorin Nunes, Alessandra Johanna Gelman Ruiz, Alexandre Geraldi, Alexandre Valverde, Bernardo Lessa Ferreira, Botanique Hotel & Spa, Bruna Monteiro de Barros, Camila Cabete, Carla Adriana de Souza, Cristiane Muñoz, Daniela Amendola Pinheiro, Dany Sakugawa, Eduardo Queiroga, Eduardo Trevisan Gonçalves, Evandro Carvalho de Menezes, Ezequiel Capellini Filho, Fernanda Assis, Flaviana Oliveira da Silva, Gabriel Figueira, Hotel Toriba, Jan Brasil, Jane Ciambelli, Jannaina Fernandes, José G M Oliveira, Juliana Wolff, Júlio de Ló, Larissa Helen, Leonardo Gomes de Carvalho, Libna Areli Sampaio Xavier, Marcelo Cintra Barbão, Marcia Busanello, Maria Augusta Barradas Barata, Maria Cristina Pagotto Tonussi, Maria do Carmo Carvalho de Menezes, Mariana Barbosa, Marilia Freitas Pereira, Marina Falsetti Viviani Silveira, Marizilda Paulino, Marta de Carvalho Souza Ferreira, Martha Delbuque Pimenta, Matheus Vinicius Guerra de Souza, Milton Costa, Nabil Mohamad Onissi, Narjara Thamiz, Patricia Cabianca Gazire, Renata Del Vecchio Gessullo, Roberto Alberto Zsoldos, Rodrigo Carpintero de Carvalho, Roseli Righetti, Silvia Maria Freire de Almeida, Sônia Regina Gonçalves, Stefania Centenaro Goulart, Suelen Pompeu, Tales Rocha, Tatiana Filinto, Teresa Cristina Bendini, Whaner Endo

FLIMA 2018

IDEALIZAÇÃO E DIREÇÃO GERAL
Roberto Guimarães

DIREÇÃO CRIATIVA E DESIGN
Ana Starling

CURADOR PROGRAMAÇÃO PRINCIPAL
Vanderley Mendonça

PRODUÇÃO EXECUTIVA
Alexandre Geraldi
Cacau Gonçalves

COORDENADORES
Heloisa Zorovich | Espaço Mantiqueira
Marta Lima | FLIMAmbiental

CONSULTOR DE PLANEJAMENTO
Ricardo Arroio (Azul)

SITE
Guilherme Kuhlmann Fernandes

ASSESSORIA DE IMPRENSA
Agência Galo

MÍDIAS SOCIAIS
Renata Megale

PRODUÇÃO AUDIOVISUAL
Beto Hacker
Duda Ferraz
Grama Filmes
Silvia Oliveira

AGRADECIMENTO ESPECIAL
Pedro Pimenta